top of page
  • Foto do escritorRogério Luiz Oliveira

Zezinho, a lâmpada e o sonho

Por: Rogério Luiz Oliveira


O sonho de Zezinho é a realização de um desejo alimentado por décadas. É um filme que materializa, ficcionalmente, um anseio íntimo. Numa justa ode audiovisual à imaginação, trata de coisas que mobilizam uma existência. As quatro frases de abertura do curta-metragem apontam nessa direção: “Muitos dos nossos sonhos ficaram pelo caminho. A vida impiedosamente os tragou de nós. Porém alguns deles nos acompanham por toda nossa existência. E é isso que nos move”. Escrita pelo próprio diretor Edmundo Lacerda, as letras garrafais fazem referência aos sonhos de um menino que, agora, fantasia e filma episódios da própria infância.


Cartaz: Cristiano Martins
Cartaz: Cristiano Martins

A narrativa faz uso de um flashback, recurso caro ao cinema. O diretor, na ficção, interrompe uma filmagem para atravessar as portas de suas memórias. Levando-nos para um mundo onírico, nos coloca diante de uma criança guardiã da aventura do cinema. A exemplo das histórias similares de Totó, em Cinema Paradiso (1988), ou Jacquot de Nantes, em filme homônimo (1991) belamente dirigido por Agnès Varda, o pequeno Zezinho atordoa o tempo-espaço ao seu redor que parece não compreender o seu rompante imaginário. Longe do continente europeu – onde as duas histórias supracitadas se passam -, o personagem criado no roteiro transita pelas veredas de um sertão nordestino cada vez mais longínquo no tempo.

Na feira, Zezinho faz carreto com a galeota; nas casas, oferece o seu serviço de engraxate. Estratégias de uma criança que quer juntar dinheiro com dois nobres objetivos: ajudar a mãe na feira e comprar entradas para assistir filmes no Cine Fênix. De passagem, cabe dizer, que mesmo quando não é possível estar na sala de projeção, seu jogo de cintura fantasioso o permite criar a própria experiência cinematográfica. Essas duas buscas do personagem – suprir a casa e ir ao cinema -, apontam, por sua vez, para aspectos destacáveis da narrativa.

Por um lado, ao falarmos da mãe, encontramos a atuação de Dayse Maria, nesse caso representante de um elenco que dá vida à trama de maneira genuína. É um conjunto de feições, gestos e jeitos de falar que oferece uma experiência singular. Seja no canto devoto da mãe do protagonista, na negociação na feira, na visita a Seu Roque – o dono da venda -, a presença do elenco emana autenticidade e preenche a tela com rostos e corpos que dialogam com a espacialidade do filme por parecerem naturalmente integrados aos lugares.

De outra maneira, ao pensarmos no objetivo de vivenciar a experiência da sala escura, acabamos por perceber o quanto O Sonho de Zezinho é uma homenagem ao próprio cinema. A montagem, assinada por Raul Ribeiro, prolonga o sonho de Zezinho no decurso da história do audiovisual. As traquinagens do protagonista ecoam em planos de filmes como Um homem com a câmera (1929), Stagecoach (1939), Oliver Twist (1948), Era uma vez no Oeste (1968). Os fragmentos escolhidos amplificam as ações do filme de maneira sagaz e articulada com as cenas protagonizadas pelo menino.

A reorganização das memórias de infância ainda é possível a partir do modo como a vontade de criar uma experiência cinematográfica para/com os amigos, faz de Zezinho um inventor. E nisso, o filme parece encontrar o seu aspecto mais envolvente. Do mesmo modo como as outras duas crianças da história do cinema antes citadas, o grande barato do protagonista idealizado por Edmundo Lacerda é justamente a busca por construir seu próprio projetor de cinema. Lâmpada, espelho, pedaço de plástico, caneta, a luz do sol e a grande vontade de ver seu próprio filme, construído a mão, projetado na parede. A peça que reúne todos esses elementos é uma imaginação de fertilidade inspiradora. É como se nos convidasse para pensar que a chave para lidarmos com o mundo está na ressignificação daquilo que já está ao nosso redor.

Com O Sonho de Zezinho, acabamos por ter a sensação de que a criança não quer apenas inventar uma máquina. O que ela quer mesmo é inventar mundos. Nisso, Edmundo, Zezinho, Jacquot de Nantes, Totó, todos eles se aproximam da mesma ideia que inunda a poesia de Manoel de Barros. Ao forjar palavras, imagens, silêncios e instrumentos para esticar o horizonte, abrir os amanheceres ou encolher os rios, o poeta parece sintetizar o desejo que alimenta as crianças que habitam personagens ou pessoas reais que não sufocam seus sonhos. O sentimento que move as palavras de Manoel de Barros é o mesmo que faz com que Zezinho queira transformar os tais objetos em máquina de sonhos.

Como o cinema é sempre um sonho que se realiza de maneira coletiva, não se pode perder de vista os aspectos plásticos do filme. Não passa despercebido o esmero da direção de arte concebida por Lívia Liu. A escolha de locações e a transformação desses espaços pela cenografia deixa a atmosfera de reminiscências ainda mais mágica. Seja a reconstrução sutil da fachada do cinema, a cozinha onde a mãe prepara a comida, a banca de frutas e verduras na feira, a escolha e disposição dos produtos na venda de Seu Roque, os brinquedos de Zezinho, em todas as escolhas há um tom adequado à história. Essa ambientação, somada ao figurino, nos remete a um tempo que, é bem verdade, pode ser compatível com as lembranças do diretor. Contudo, e mais que isso, a combinação dos tons da arte com a direção de fotografia e a cor impressa na pós-produção, cria um mundo particular e original.

A direção de fotografia, a propósito, sob responsabilidade de L. H. Girarde, equilibra bem os instantes de repouso e movimento ao acompanhar a jornada de um menino que não pára quieto um só instante. Seja por meio da luz que ora é integrada de forma natural à imagem, ora é pensada para criar uma expressiva espacialidade, como é o caso do esquema de luz do interior da cozinha da casa de Zezinho. A operação de câmera respeita o princípio dinâmico imposto pelo menino que tanto corre atrás da bola quanto, de forma solitária no silêncio do próprio quarto, desenvolve sua máquina de sonhos.

Após o mergulho de vinte minutos nas imagens e sons dessa obra cinematográfica, estendemos o significado das palavras de abertura do filme. Ao reunir os amigos a fim de mostrar a eles a magia de sua invenção, numa das mais belas cenas do filme, o menino monta o seu projetor e diz que agora é “preciso esperar a nuvem passar para o sol chegar” e, nesse caso, cumprir sua função de atravessar o instrumento desenvolvido por ele a fim de projetar as imagens na parede. Curioso o quanto, ao fazer isso, Edmundo Lacerda, por meio do seu personagem, demonstra que a realização de sonhos íntimos estão associados à paciência. Essa concretização às vezes depende da passagem das nuvens e leva minutos. Às vezes, advém das condições e circunstâncias que precisam de décadas para chegar. Mas chegam. A história de Zezinho nos dá prova disso e a lição de que um dos caminhos para a materialização dos sonhos de outrora, talvez esteja na persistência em ressignificar as coisas ordinárias. Não à tôa, uma lâmpada, tão comumente utilizada no nosso dia-a-dia para iluminar a escuridão cotidiana das nossas casas, serve como elemento cênico fundamental a nos mostrar que a luz é ainda mais instigante quando dá vida e movimento a sonhos.

390 visualizações3 comentários

Posts recentes

Ver tudo

3 Comments


valtercifreire
Sep 20, 2021

Sou contemporâneo do Edmundo Lacerda. Há décadas não o encontro. Partilhamos os mesmos sonhos, luta e labuta na infância. Edmundo, Ilton, Miguel, Leônidas, Nivo, Nei, Dino e tantos. Muitos acontecimentos estão nas crônicas "Cine Ritz", "Rua dos Pratos" e "A vingança de Kirk Douglas", publicadas no Blog do Brown Cidadania. Não consegui ver o filme. Ao clicar, aparece como video privado. Sou cinéfilo formado nos cinemas de Conquista. Também engraxei sapatos e carreguei galiotas para comprar o ingresso. A crítica é perfeita, e como já foi dito aqui, não há o que acrescentar. Sou mais um Totó da vida.... Meu nome é Valter e moro no Rio de Janeiro.

Like

Leonardo Jardim
Leonardo Jardim
Aug 30, 2021

Um belíssimo registro auto biográfico que tenho a alegria de dizer que é cria do meu amigo Edmundo. Na verdade a resenha aí acima ficou tão redondinha que não deixou sequer espaço pra qualquer adição ou coisa acessória rsrsrs. A inferência que eu faria era justamente que me vinha o Cine Paradiso do Tornatore, mas não passou despercebido na análise acima. Achei o curta muito sensível e para alguém que está estreando na coisa, ficou muito profissa. Parabéns meu amigo e parabéns ao ATO3 Produções e todos os envolvidos nos bastidores pra que esse projeto fosse materializado. Já já estarei assistindo os demais.

Like
valtercifreire
Sep 20, 2021
Replying to

Cara, você foi cirúrgico na análise. Viva Conquista!

Like
bottom of page